Três mulheres morrem por dia no Brasil por feminicídio

Prazo para MEI entregar declaração anual vai até hoje (30); veja como fazer
30 de junho de 2022
Brasil volta a ter média de óbitos por covid acima de 200. Quarta Onda!
30 de junho de 2022

Três mulheres morrem por dia no Brasil por feminicídio

Anuário Brasileiro de Segurança Pública foi publicado hoje (28)

O número de vítimas de feminicídio, que é o assassinato de mulheres cometido em razão do gênero, caiu 1,7% no país em 2021, se comparado a 2020. Este dado é do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O estudo se baseia em informações das secretarias estaduais de segurança pública.

No ano passado, cerca de 1.340 mulheres morreram por serem mulheres, enquanto em 2020 o número de vítimas foi pouco mais de 1.350.

O anuário mostra que, no Brasil, 1 mulher é vítima de feminicídio a cada 7 horas. Isto significa dizer que, ao menos 3 mulheres morrem por dia simplesmente por serem mulheres.

Mesmo com a queda, os números ainda são altos e vêm acompanhados pelo crescimento de outros tipos de violência contra mulheres, como lesão corporal dolosa, ameaças, estupros e emissão de medidas protetivas.

As informações das secretarias de segurança pública apontam ainda um aumento de 3,8% nas tentativas de feminicídio.

O estudo demonstra que houve mudanças importantes na legislação brasileira em 2021, no que se refere à proteção das mulheres. Entre elas, a inclusão no código penal do crime de perseguição, introdução de conteúdo sobre a prevenção da violência contra a mulher nos currículos da educação básica, além de outras políticas públicas.

O anuário desenhou o perfil desses crimes e mostrou que quase 82% dos feminicídios são cometidos pelo companheiro ou ex-companheiro da vítima. Ainda de acordo com o estudo, a presença de arma de fogo na residência aumenta o risco de a mulher em situação de violência doméstica ser morta por seu parceiro.

A pesquisa destacou também que o número de chamadas ao 190 para denúncia de crimes caiu 5,3% entre 2020 e 2021, mas as ligações sobre violência doméstica cresceram 4%, no mesmo período.

Aumentaram também os crimes de maus tratos contra crianças e adolescentes: o crescimento foi enorme, mais de 21%. Outro número que assusta é o de estelionatos: subiu quase 180% entre 2018 e 2021. Racismo e violência contra LGBTQIA+ também tiveram alta significativa.

De acordo com o anuário, apesar de ter havido queda de 6,5% no número geral de mortes violentas intencionais no Brasil, entre 2020 e 2021, o país continua sendo um país desigual e violento.  O destaque negativo da pesquisa foram os estados da Amazônia Legal, onde hoje encontram-se 13 dos 30 municípios com as mais altas taxas de mortes violentas do país.

Fonte: Radioagência Nacional

Os comentários estão encerrados.