Orçamento da Educação depende da reforma da Previdência, diz ministro

Processo de recuperação gradual da economia foi interrompido, diz BC
14 de maio de 2019
Crédito à pessoa física impulsiona resultado dos bancos no 1º trimestre
14 de maio de 2019

Orçamento da Educação depende da reforma da Previdência, diz ministro

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, vê na aprovação da reforma uma solução para o descontingenciamento das universidades

 Em um café da manhã com jornalistas, nesta terça-feira (14/5), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a falar dos contingenciamentos anunciados nos orçamentos das universidades e institutos federais. Weintraub afirmou que não tem como antecipar se haverá novos congelamentos no orçamento da Educação e também voltou a relacionar um provável descontingenciamento a aprovação da reforma da Previdência no Congresso. 

“A partir de setembro, se não houver contingenciamento, talvez falte o recurso”, disse o ministro, que se diz confiante com a aprovação da reforma da Previdência. “Sem a nova Previdência, o Brasil está em rota de insolvência fiscal. Não é questão de ‘se’, mas de quando”, afirmou. Questionado se poderá haver mais contingenciamentos na pasta da Educação, o ministro preferiu não prever. “Hoje eu vou falar com o Paulo Guedes e vou perguntar especificamente sobre isso. Hoje eu não tenho como antecipar. Falei com ele rapidamente ontem e ele me disse para ficar tranquilo”, ressaltou.

O gestor da pasta se considera otimista com a aprovação da reforma. Caso a matéria não seja aprovada no legislativo, o ministro preferiu não sugerir o que pode acontecer e comparou o acontecimento com um desastre natural. “No cenário positivo é fácil de prever. O cenário de stress é difícil de você traçar. O que acontece se cair um meteoro nos Estados Unidos? É difícil de falar” completou. 

Além de ver na aprovação da reforma uma solução para o descontingenciamento das universidades, Weintraub voltou a questionar se as mesmas não podem buscar eficiências para economizar recursos. “Sempre dá para buscar eficiência. A Polícia Militar de Brasília topa fornecer segurança pra UnB. Esse tipo de atitude é buscar eficiência e economizaria”, afirma.

Segundo o ministro, alguns reitores já procuraram o Ministério da Educação (MEC). “Já recebemos 50 reitores em 40 dias. Todos eles admitem que não estão tendo impacto no dia a dia”, disse Weintraub. Além do ministro, também estiveram presentes no evento o secretário de educação superior, Arnaldo Barbosa Lima Junior, o secretário executivo da pasta, Antônio Paulo Vogel, a assessora especial do MEC, Priscila Mesiano, e o secretário de alfabetização, Carlos Francisco de Paula Nadalim.

Greve 

A Greve Nacional da Educação, marcada para esta quarta-feira (14/5), não foi mencionada pelo atual ministro. Apesar disso, a portaria do MEC já tinha a presença da Força Nacional de Segurança na manhã desta terça. Segundo o secretário executivo da pasta, Antônio Paulo Vogel, a presença da Força Nacional é normal. “O objetivo é a proteção do patrimônio”, disse ao final do evento.  

Antes de responder os questionamentos dos jornalistas, o ministro expôs a mesma apresentação que levou a Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), no Senado, na última semana. Ao explicar as diretrizes para o MEC e as políticas para a educação, Weintraub citou a educação básica, que se referiu como a “maior vulnerabilidade”, como o foco da atual gestão.

Fonte – Correio Braziliense

Os comentários estão encerrados.