MP DE FLEXIBILIZAÇÃO TRABALHISTA ACENDE ALERTA DO SUPREMO E PGR POR ‘VÍCIOS CONSTITUCIONAIS’

PACOTE ANUNCIADO PELO GOVERNO DEVE LIBERAR R$ 1,2 TRILHÃO AOS BANCOS
25 de março de 2020
MP ABRE BRECHA PARA QUE FUNCIONÁRIO CONTAMINADO NO TRABALHO SEJA DEMITIDO
25 de março de 2020

MP DE FLEXIBILIZAÇÃO TRABALHISTA ACENDE ALERTA DO SUPREMO E PGR POR ‘VÍCIOS CONSTITUCIONAIS’

Presidente Jair Bolsonaro em coletiva de imprensa para falar sobre o novo coronavírus – Sérgio Lima/AFP 

Medida previa possibilidade de suspensão dos contratos de trabalho por quatro meses (Renato Onofre,
Julia Chaib e Camila Mattoso) – 

A edição da MP (Medida Provisória) 927, que flexibilizou as regras trabalhistas por causa da epidemia do coronavírus, ligou o alerta entre os membros da PGR (Procuradoria Geral da República) e do STF (Supremo Tribunal Federal).

A avaliação entre procuradores e ministros é a de que o governo errou ao permitir a edição das medidas com “vícios constitucionais”.

A MP, publicada na noite do último domingo (22), previa a possibilidade de o empregador suspender por até quatro meses os contratos de trabalho sem a necessidade de manter os pagamentos de salários.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou a defender a medida pela manhã na porta do Palácio do Alvorada, mas recuou no início da tarde após forte repercussão negativa da proposta e disse que revogaria esse trecho do texto.

Sem alarde, o procurador-geral da República, Augusto Aras, ligou na segunda (23) logo pela manhã para o ministro Jorge Oliveira (Secretária-Geral) para apontar “possíveis vícios” na MP editada pelo governo.

Oliveira é, ao lado do ministro da AGU (Advocacia-Geral da União), André Mendonça, o principal conselheiro jurídicos do presidente.

O ministro da Secretária-Geral é o responsável pela SAJ (Secretaria de Assuntos Jurídicos), órgão vinculado à Presidência da República responsável pelo aconselhamento direto do presidente.

Aras explicou ao ministro que análises preliminares de sua assessoria técnica e de alguns procuradores da área apontavam para problemas sérios em 3 dos 39 artigos da medida.

O principal problema apontado pelo procurador-geral estava no artigo 18, que previa a possibilidade da suspensão dos salários por quatro meses.

Aras afirmou a Oliveira que a suspensão dos salários por quatro meses atingia a “subsistência básica” da população e levaria a “convulsão social”.

O procurador-geral disse ainda que excluir sindicatos nas discussões trabalhistas seria alvo de ação de inconstitucionalidade por parte da base do Ministério Público e que não poderia haver a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho por conta da pandemia.

Aras já sabia que a ANPT (Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho) estudava ajuizar uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra as medidas propostas do governo.

As mudanças nas normas que definem os critérios para a antecipação de férias individuais e coletivas altera medidas de saúde e segurança do trabalho e permite a constituição de um regime especial de compensação de jornada, por meio de banco de horas. Esses trechos também foram contestadas por outras entidades.

A Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho) também sinalizou, em nota, que recorreria ao Supremo para questionar a inconstitucionalidade da medida.

Um dos argumentos da entidade é que a Constituição determina que os sindicatos têm papel “importante e indispensável” na negociações trabalhistas.

O posicionamento de Aras encontrou respaldo em ala do STF, que também avaliou que a medida precisava de ajustes.

O presidente do Supremo, Dias Toffoli, disse que a MP mostrava falta de discernimento do governo.

“Você colocar o povo dentro de casa, com medo, e sem remuneração, sem garantia, é falta de discernimento”, afirmou Toffoli ao Painel.

“O presidente agiu bem em suspender e para pensar em uma maneira de resolver esses problemas”, disse.

Além de Toffoli, integrantes da corte dizem que o governo também defendiam mudanças na MP.

Ministros dizem que o governo dá um passo positivo ao tentar regulamentar as regras trabalhistas neste momento de crise, mas criticam a área jurídica do Executivo.

A avaliação é a de que o governo tem falhado ao editar normas que garantam segurança às suas próprias medidas, como seria o caso dessa MP.

Apesar das críticas de Aras e Toffoli, houve no Supremo quem elogiasse a medida do governo.

“Houve um cuidado maior na alteração dos parâmetros dos contratos de trabalhos para limitar ao tempo [em que vigorar] do estado de calamidade. A ninguém interessa a essa altura perder o emprego”, afirmou o ministro Marco Aurélio Mello.

Embora o governo tenha recuado, uma parte da corte ainda aposta em mudanças no texto pelo Congresso e tratam como “inevitável” a judicialização da MP por outros pontos controversos que foram mantidos.

Bolsonaro recuou após ver a reação negativa no Congresso.

Auxiliares de Bolsonaro no Palácio do Planalto dizem que a contrapartida não foi incluída nesta MP inicial, porque ainda estava sob avaliação de onde sairia o recurso e qual o valor que seria pago aos trabalhadores.

Mesmo assim, decidiram editar rapidamente a medida para dar uma sinalização de que o governo está empenhado em resolver a questão das empresas. (Fonte: Folha.com)

Os comentários estão encerrados.