Lucro líquido do Banco Votorantim cresce 82,3% em 2018

Estudo indica que brasileiros gastaram muito com tarifa bancária em 2018
13 de fevereiro de 2019
Lucro de R$ 13,5 bilhões e espera por IPO de subsidiária fazem BB virar aposta de analistas para 2019
14 de fevereiro de 2019

Lucro líquido do Banco Votorantim cresce 82,3% em 2018

O Banco Votorantim encerrou 2018 com crescimento de 82,3% no lucro líquido na comparação com o ano anterior, atingindo R$ 1,06 bilhão, confirmando um novo patamar de ROE (Retorno sobre Patrimônio Líquido), que alcançou 11,5% no ano contra 6,8% em 2017.

“O resultado de 2018 demonstra o sucesso no avanço do nosso plano estratégico de rentabilização dos negócios, aumento da eficiência operacional e diversificação de receitas. Seguimos investindo na transformação digital, trazendo a experiência e a satisfação dos clientes em todos os nossos esforços. Os números mostram que estamos no caminho certo”, diz Elcio Jorge dos Santos, presidente do Banco Votorantim.

O total de receitas, que considera a somatória da margem bruta e receitas de serviços e corretagem de seguros, cresceu 5,9% em 2018. A BV, marca de varejo do Banco Votorantim e líder no segmento de veículos leves usados, cresceu seu volume de originação de financiamentos de automóveis, caminhões e motos, chegando a R$ 17 bilhões em 2018, 8,2% maior que no ano anterior.

O resultado com Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) e impairments de 2018 caiu 25,5% em relação a 2017, principalmente devido às menores provisões de devedores duvidosos do Atacado, reflexo da melhora da qualidade dos ativos. Tal melhoria demonstra a eficiência da gestão de riscos e dos processos de concessão de crédito, evidenciados pela menor relação do resultado de PDD com a carteira de crédito classificada, que caiu de 4% para 2,5% no último ano.

O contínuo processo de transformação do Banco Votorantim e o aumento dos investimentos em marketing e tecnologia justificam o crescimento de 4,9% nas despesas de pessoal e administrativas em 2018. A gestão efetiva da base de custos e a geração consistente de receitas contribuíram para a melhora no Índice de Eficiência, que reduziu de 34,4% para 33,1% nos últimos 12 meses. “Para suportar e impulsionar nossas frentes de inovação, também lançamos o BVLab, unidade dedicada a inovação, conexão com o ecossistema de startups, experimentação de novas tecnologias e avanço na experiência do cliente”, ressalta o presidente do Banco Votorantim.

Em 2018, o Índice de Basileia foi de 15,7% – acima do mínimo regulatório de 10,5%, sendo 13,6% referentes ao Capital Nível I, que consiste no somatório do Capital Principal (11,6%) e Capital Complementar (2%).

Fonte: Investimento e Notícias

Os comentários estão encerrados.