Lucro dos bancos bate recorde e soma R$ 144 bilhões em 2023, aponta Banco Central

BNDES e bancos asiáticos assinam acordos de R$ 9,1 bi para investimentos sustentáveis no Brasil
10 de junho de 2024
Trabalhadores encontram saldos de FGTS bloqueados; Caixa diz que problema já está sendo normalizado
10 de junho de 2024

Lucro dos bancos bate recorde e soma R$ 144 bilhões em 2023, aponta Banco Central

O lucro líquido dos bancos subiu para R$ 144,2 bilhões em 2023, e bateu novo recorde histórico, informou nesta quinta-feira (6) o Banco Central. Em 2022, o lucro das instituições financeiras foi de R$ 139 bilhões.

(ATUALIZAÇÃO: Em um primeiro momento, o Banco Central divulgou que os bancos registraram lucro de R$ 145 bilhões no ano passado. Posteriormente, a instituição detalhou o dado, informando que o lucro foi de R$ 144,2 bilhões. A informação foi corrigida nesta reportagem às 12h02 desta quinta-feira).

O aumento do lucro das instituições financeiras ocorreu em um ano no qual a taxa básica de juros da economia, fixada pelo Banco Central para conter a inflação, ficou em 13,75% ao ano até meados junho do ano passado – um patamar elevado, em termos reais, na comparação internacional.

A taxa Selic começou a cair somente em agosto de 2023, terminando o último ano em 11,75% ao ano, nível ainda alto na comparação internacional.

“Ao longo de 2023, o retorno do crédito aumentou, influenciado pelo peso das safras recentes nas receitas de crédito contratadas a taxas mais altas. O custo de captação também se elevou no período, mas apresentou redução no quarto trimestre em decorrência da queda da taxa Selic a partir de agosto”, informou o BC.

O BC goza de autonomia em sua atuação, sendo que o atual presidente, Roberto Campos Neto, foi indicado por Jair BOlsonaro.

A instituição diz que seu papel, na fixação da taxa de juros, é técnico, e busca conter a inflação.

Em seus documentos, o BC informa que um patamar mais alto de inflação prejudica, principalmente, a população de baixa renda.

Segundo o Banco Central, a elevação da margem bruta de lucro das instituições financeiras “tende a continuar à medida que os efeitos da queda da taxa Selic permaneçam reduzindo o custo de captação de forma mais rápida que o retorno do crédito”.

A última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada em maio, registrou divisão na diretoria do Banco Central sobre o ritmo de corte da taxa de juros – o que gerou nervosismo no mercado financeiro.

À ocasião, o Copom decidiu reduzir o ritmo de corte da taxa Selic – que caiu 0,25 ponto percentual, de 10,75% para 10,50% ao ano.

Fonte: G1

Os comentários estão encerrados.