Fábricas da Armani e Dior são investigadas por trabalho análogo à escravidão

Empresas do RS têm até dia 12 para aderir a programa de Apoio Financeiro
9 de julho de 2024
Febraban: celular chega a 70% das transações bancárias e projetos com IA avançam em bancos
9 de julho de 2024

Fábricas da Armani e Dior são investigadas por trabalho análogo à escravidão

A polícia italiana realizou operação durante os meses de março e abril contra o trabalho escravo em fábricas que produzem itens de luxo para as marcas Armani e Dior. As investigações revelaram trabalhadores sem registro, grande parte imigrantes ilegais, condições precárias de trabalho, cargas horárias abusivas e pagamentos abaixo do mínimo.
O relatório da investigação, divulgado pelo Wall Street Journal, revela que muitos dos trabalhadores estavam expostos à condições perigosas de trabalho (sem os dispositivos mínimos de segurança), realizavam jornadas estendidas (muitas vezes dormindo nas fábricas para garantir produção 24 horas), e recebiam salários quase inexpressivos (variando entre US$ 2 e US$ 3 por hora, algo entre R$ 10,96 e R$ 16,44).

O relatório mostrou ainda que as fábricas improvisadas ainda produziam para outras marcas de moda com renome. A Dior não se posicionou sobre o assunto, enquanto a Armani disse contribuir com as investigações policiais e que, apesar do que é mostrado pela polícia, “sempre manteve medidas de controle e prevenção para minimizar abusos na cadeia de suprimentos”.

A Justiça italiana decidiu colocar as fábricas em questão sob administração judicial por um ano, a fim de garantir a qualidade do trabalho nos processos produtivos das marcas. Foram abertas investigações criminais por exploração do trabalho contra quatro proprietários das fábricas.

Os artigos da Armani e da Dior são vendidos como itens de luxo por valores acima dos US$ 2 mil.

Fonte: Exame

Os comentários estão encerrados.