Caixa tem de ser rigorosa nos protocolos de proteção

Bancos Privados Lucram Mais que em 2019 e 2020
7 de maio de 2021
Banco do Brasil tem lucro de R$ 4,2 bilhões no primeiro trimestre
7 de maio de 2021

Caixa tem de ser rigorosa nos protocolos de proteção

Apesar de o movimento sindical cobrar, a Caixa deixa a desejar no cumprimento das medidas de proteção para evitar o contágio do vírus. Os empregados vivem apreensivos nos locais de trabalho e denunciam a situação aos sindicatos. Em alguns lugares do país, o banco demorou de instalar a proteção de acrílico nas mesas dos trabalhadores e os bancários compraram álcool e máscara.

A CEE (Comissão Executiva dos Empregados) Caixa cobrou a compra e distribuição de EPI (Equipamento de Proteção Individual), instalação de protetores em acrílico, inicialmente para os guichês de atendimento e posteriormente nas mesas, higienização das unidades, realização apenas de serviços essenciais nas agências e teletrabalho. Além da testagem em massa dos empregados, suspensão de metas e descomissionamentos.

Na Caixa, o trabalho remoto foi prorrogado até 30 de junho, mas as entidades não concordam com o modelo aplicado. Falta registro da jornada de trabalho, os custos que estão sob responsabilidade dos empregados, como internet e energia elétrica, e a exoneração do banco para se responsabilizar com as condições de trabalho.

 

Fonte: Seeb/Bahia

Os comentários estão encerrados.