Bancários de SC avaliam impactos do plano de reestruturação do Banco do Brasil

Associação de funcionários do BB diz que medidas anunciadas pelo banco são ‘cortina de privatização’
13 de janeiro de 2021
Insatisfeito, Bolsonaro cogita troca do comando do BB com Paulo Guedes
13 de janeiro de 2021

Bancários de SC avaliam impactos do plano de reestruturação do Banco do Brasil

Surpreendidos com o anúncio, na segunda-feira (11), de que o Banco do Brasil aprovou uma ampla reestruturação organizacional em todo o país, que inclui a desativação de 361 unidades e um plano de demissão voluntária que pode atingir até 5 mil empregados, bancários de Santa Catarina ainda apuram os possíveis impactos das medidas no Estado. O dia de ontem foi marcado por muitas reuniões para tratar do assunto.

O presidente da Federação dos Bancários de Santa Catarina (FEEB-SC), Armando Machado Filho, estima que existam, hoje, cerca de 350 unidades do BB em Santa Catarina. O número exato de trabalhadores está sendo levantado pela entidade. Por ora, é difícil projetar a repercussão no Estado porque, segundo ele, a categoria ainda não tem todos os detalhes dos critérios que serão adotados. Pela natureza da proposta, no entanto, o dirigente diz que ela será danosa aos funcionários.

— O banco não chamou as entidades sindicais para discutir essa reestruturação. Vamos tentar amenizar o prejuízo por meio de um processo negocial imediato — diz o presidente da FEEB-SC.

A entidade se articula em conjunto com a confederação nacional para abrir um canal de negociação com a direção do BB. Machado Filho diz que há tratativas para que uma reunião aconteça nesta quarta-feira (13). As expectativas, admite ele, não são muito positivas. Por isso, a tendência maior é de que a judicialização da questão se sobreponha a um consenso costurado na base do diálogo.

A reestruturação

Em comunicado divulgado ao mercado na segunda-feira, o Banco do Brasil informou que as medidas serão implementadas ao longo do primeiro semestre deste ano e proporcionarão “ganhos de eficiência e otimização em 870 pontos de atendimento do país”. As 361 unidades a serem desativadas incluem 112 agências, sete escritórios e 242 postos de atendimento (PAs).

Ao todo, 243 agências serão convertidas em PAs e outros 8 PAs vão virar agências. Outras 145 unidades de negócios serão transformadas em Lojas BB, sem a oferta de guichês de caixa – profissionais mais atingidos com as mudanças propostas.

Segundo o BB, “a reorganização da rede de atendimento objetiva a sua adequação ao novo perfil e comportamento dos clientes e compreende, além das medidas de otimização de estrutura descritas, outros movimentos de revisão e redimensionamento nas diretorias, áreas de apoio e rede, privilegiando a especialização do atendimento e a ampliação da oferta de soluções digitais”.

Com esses movimentos, o banco estima uma economia anual líquida de R$ 353 milhões já em 2021 e de até R$ 2,7 bilhões até 2025. Além disso, dois programas de desligamento incentivado devem receber, até 5 de fevereiro, a adesão de 5 mil funcionários, nas projeções da instituição.

Fonte: NSC Total

Os comentários estão encerrados.