Medida provisória para investigar bancos corre risco no Congresso

CONTEC participa de debates em audiência pública sobre “Os impactos da reestruturação dos bancos públicos na economia baiana”
11 de outubro de 2017
BB quer usar pirulitos para recompensar bancários que cumprirem metas
13 de outubro de 2017

Medida provisória para investigar bancos corre risco no Congresso

Um atrito político na Câmara dos Deputados e um erro cometido no Senado colocaram em risco uma medida provisória que o governo federal editou em junho com o objetivo de ampliar seus poderes para investigar bancos e outras instituições financeiras.

Com o feriado desta semana e o esvaziamento do Congresso a partir desta quarta (11), o governo terá poucos dias para salvar a medida provisória, que perderá a validade na próxima semana se não for aprovada pela Câmara e pelo Senado até quinta (19).

A medida provisória dá ao Banco Central e à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) um instrumento poderoso para coibir fraudes no mercado financeiro, permitindo que negociem com banqueiros e outros agentes acordos de leniência semelhantes aos que o Ministério Público Federal negociou com empresas como a Odebrecht e a J&F.

Os acordos previstos pela medida provisória permitiriam que bancos, corretoras e outras empresas investigadas fornecessem informações sobre irregularidades em troca da redução de penas previstas no âmbito administrativo por normas do BC e da CVM.

Uma comissão especial criada pelo Congresso para analisar a medida provisória aprovou várias mudanças na proposta original do governo na semana passada e encaminhou a versão para votação no plenário da Câmara.

Nesta terça (10), após receber um apelo do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), prometeu empenho para acelerar a votação da medida, mas aliados do presidente Michel Temer (PMDB) esvaziaram o plenário, porque a prioridade deles era garantir a leitura do relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) sobre a nova denúncia criminal apresentada contra o presidente Temer.

O governo tentará colocar a medida provisória em pauta novamente na segunda (16), mas o atrito com os aliados de Temer irritou Maia, que ameaça não convocar a sessão. Depois da Câmara, a medida precisará ser aprovada pelo Senado para virar lei.

DESCUIDO
Além disso, o governo terá que mobilizar seus aliados para corrigir um erro cometido pela senadora Lídice da Mata (PSB-BA), relatora da medida provisória na comissão especial criada pelo Congresso, na redação final do texto enviado aos deputados.

Além dos acordos de leniência, a medida provisória autoriza o Banco Central e a CVM a assinar termos de compromisso com os infratores que aceitarem interromper práticas consideradas irregulares e reparar danos para encerrar processos de fiscalização e ficar livres de punição.

A senadora do PSB alterou o texto original para acrescentar uma exigência, a de que os infratores reconhecessem a infração ao assinar o termo de compromisso, mas recuou após ouvir do governo argumentos contra a mudança.

Para o BC e a CVM, os termos de compromisso são um instrumento para resolver rapidamente problemas encontrados pela fiscalização, mas a exigência de confissão tornaria esse tipo de acordo arriscado para os infratores, que poderiam ficar sujeitos a punição na esfera criminal.

Apesar do recuo de Lídice da Mata, que aceitou restaurar esse ponto do texto original do governo, um descuido de sua assessoria fez com que a versão encaminhada à Câmara seguisse com a exigência de confissão. Uma deputada do PSB apresentou destaque para corrigir o problema na Câmara, se a votação ocorrer na próxima semana.

Fonte: Folha.com

 

Os comentários estão encerrados.