Lázaro Brandão renuncia ao conselho de administração do Bradesco

Em dia de otimismo pela reforma da Previdência, Bolsa tem alta de 1,5% e fecha em patamar histórico
11 de outubro de 2017
CONTEC participa de debates em audiência pública sobre “Os impactos da reestruturação dos bancos públicos na economia baiana”
11 de outubro de 2017

Lázaro Brandão renuncia ao conselho de administração do Bradesco

Para o lugar de Brandão, o banco nomeou Luiz Carlos Trabuco Cappi, até então vice-presidente do conselho de administração e diretor-presidente do Bradesco

O Bradesco informou que Lázaro de Mello Brandão renunciou ao cargo de presidente do conselho de administração do banco. O banqueiro, de 91 anos, entregou sua carta de renúncia nesta terça-feira.

Para o lugar de Brandão, o banco nomeou Luiz Carlos Trabuco Cappi, até então vice-presidente do conselho de administração e diretor-presidente do Bradesco.

Brandão iniciou sua carreira em 1942 na Casa Bancária Almeida & Cia., que se transformou em Banco Brasileiro de Descontos S.A., atual Banco Bradesco S.A., em 1943. Dentro da instituição, ele passou por todos os escalões da carreira bancária – seu primeiro cargo foi de escriturário.

O banqueiro estava na presidência do conselho de administração desde fevereiro de 1990. De janeiro de 1989 a março de 1999, foi presidente da diretoria.

O banco não informa o motivo da renúncia, mas diz que Brandão permanecerá na presidência do conselho de administração das sociedades controladoras ‘transmitindo seus ensinamentos e experiência acumulados ao longo desses mais de 75 anos de vida profissional dedicados exclusivamente à organização, com magníficos exemplos de trabalho, honradez e ética’.

Na nota, o Bradesco faz elogios ao novo presidente do conselho de administração. “Seus méritos são indiscutíveis. Sua competência e eficiência estão traduzidas na superação diária das adversidades diante de um mercado cada vez mais competitivo e um ambiente econômico repleto de desafios.”

Trabuco acumulará os cargos de presidente do conselho de administração e de diretor-presidente do Bradesco até a primeira reunião que se realizar após a assembleia-geral ordinária, prevista para março de 2018. A reunião elegerá o novo presidente do banco.

Caberá a Trabuco, segundo o banco, a missão de “estabelecer as diretrizes estratégicas do Bradesco, sempre prezando pela cultura e valores da organização”.

Trajetória

Aos 16 anos, seu sonho era trabalhar no Banco do Brasil – chegou a fazer um cursinho para se preparar para o concurso do BB. Ele aceitou a sugestão de um parente e foi trabalhar na Casa Bancária Almeida, instituição fundada em Marília que deu origem ao Bradesco. Entrou em 1942 como escriturário.

Foi nomeado diretor em 1963. Em 1977, alcançou o posto de vice-presidente. O cargo de diretor-presidente chegou em 1981. Assumiu a presidência do conselho de administração em 1990, após o afastamento do fundador Amador Aguiar – que morreu em 1991.

Brandão assumiu os dois cargos até 1999, quando Márcio Cypriano assumiu a presidência executiva do banco. Cypriano foi substituído em 2009 por Trabuco, que agora sucederá Brandão.

No ano passado, ao completar 90 anos, ele disse que aposentar-se era uma necessidade iminente, mas um desejo longínquo.

Brandão sinalizou a escolha de seu sucessor quando Trabuco foi nomeado para a vice-presidência do conselho de administração do Bradesco.

Reportagem de VEJA de 2014 diz que a fatia de Brandão não é divulgada, mas pessoas próximas estimam que não chegue a 1%. Mesmo com essa pequena participação, Brandão sempre teve a palavra final em todas as decisões estratégicas da instituição.

Sob a administração de Brandão, o banco implementou uma hierarquia rígida, de rotina  pouquíssimo flexível. O comportamento de Brandão virou o padrão a ser seguido no banco: chega-se cedo e fica-se até a noite.

Os comentários estão encerrados.